VejaRio: Novembro Azul: alerta contra o câncer de próstata

Doença tem grande chance de cura, mas preconceito precisa ser vencido.

Há quase 10 anos o mês de novembro é dedicado à prevenção do câncer de próstata. Divulgação/Reprodução

O mês de novembro é tradicionalmente uma data importante para a conscientização sobre o câncer de próstata. Por isso, cedo este espaço para que o urologista Marco Aurélio Imbroisi compartilhe seus conhecimentos. Boa leitura! – Gilberto Ururahy

Novembro Azul: alerta contra o câncer de próstata

Por Marco Aurélio Imbroisi

Há quase 10 anos, o mês de novembro é dedicado à prevenção de uma doença tão recorrente quanto possível de ser curada: o câncer de próstata. Segundo o INCA, 61 mil novos casos devem ser diagnosticados em 2020. Trata-se da segunda doença que mais mata homens no mundo.

Tal cenário poderia ser bem diferente se a falta de informação, o preconceito e a vergonha não afastassem o público masculino de procedimentos simples, rápidos, indolores e fundamentais para identificar a doença ainda em estágio inicial. O diagnóstico precoce permite um grande leque de opções de terapia, que pode ser desde simplesmente observar os doentes, sem precisar fazer algum tratamento. Evitando as complicações das terapias mais agressivas, até nos casos de alto risco, a cirurgia e a radioterapia que são os tratamentos indicados. O percentual de cura para quem identifica precocemente o câncer de próstata chega a 90%.

Por isso, no Novembro Azul diversas ações são intensificadas em todo o país na tentativa de conscientizar os homens quanto à importância de cuidar da própria saúde. Muitos homens ainda têm dúvida sobre qual é o exame mais eficiente para detectar a doença: se o de sangue ou o exame do toque. Se o paciente faz apenas um desses exames, a chance de falha no diagnóstico é de 20% e de 40%, respectivamente. Mas quando os dois são feitos ao mesmo tempo, o índice de falha no diagnóstico cai para 8%.

No entanto, infelizmente ainda existem tabus que impedem que muitos homens se cuidem. Um dos mitos mais recorrentes é que o toque retal fere a masculinidade do paciente ou o medo de ter complicações na função sexual. São falácias que apenas prejudicam a saúde dos homens. O exame do toque, é rápido, seguro e indolor. Quanto a função sexual, ela só pode vir a sofrer algum tipo de disfunção se for necessário retirar a próstata.

O homem do século XXI precisa cuidar melhor da sua saúde e buscar boas fontes de informação. É fundamental estar atento aos riscos do tabagismo, do consumo excessivo de álcool e às principais doenças crônicas, como o diabetes e a hipertensão. O ideal é manter hábitos saudáveis, manter uma alimentação balanceada e praticar atividades físicas. Saúde é prevenção!

Marco Aurélio Imbroisi é Professor-Adjunto de Urologia da UniRio, Mestre em Urologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e urologista da MedRio Check-up há 20 anos.

agende