Saúde do Viajante

Nossos clientes viajam constantemente. Pensando nisso, a MedRio Check-up desenvolveu este guia que poderá ser bastante útil durante as suas viagens. Assim, antes de seguir para o destino desejado, independente do local – seja ele nacional ou internacional, a passeio ou a negócios – é importante estar consciente sobre os cuidados necessários com a saúde. Quem viaja está suscetível a diversos fatores de riscos para a saúde, como mudanças bruscas de temperatura, umidade, altitude, a fusos horários, alimentação local, exposição a micróbios e bactérias, acesso a locais com higiene e saneamento básico precários, entre outras condições que podem comprometer a sua saúde e o objetivo da viagem. De posse deste guia prático e com as informações essenciais para proteger a sua saúde, desejamos que a sua viagem seja segura e agradável 

Prepare-se antes de viajar:

Ao agendar uma viagem, procure obter, com antecedência, o máximo possível de informações sobre o destino. Pesquise o clima, condições sanitárias, necessidade de vacinas, comidas típicas, sistema de saúde, atividades e esportes que serão realizados durante a estadia, entre outros dados que podem interferir em seu estado de saúde.

Realize um check-up médico 

Para viagens mais longas e duradouras, para locais mais distantes ou culturalmente diferentes do seu país de origem, o ideal é marcar uma avaliação médica antes de viajar, principalmente se você tiver alguma doença pré-existente. Também é importante realizar uma avaliação com o dentista. Precaver-se é a melhor forma de viajar com segurança e evitar problemas futuros.

Medicamentos controlados e receitas

Se você utiliza remédios controlados, lembre-se de levar a prescrição médica com você e a quantidade de medicamentos necessária para o período da viagem e, uma cota “extra” caso você tenha que adiar o retorno, pois nem sempre é possível obter os medicamentos no seu destino final, ou ingressar em países diferentes com os produtos na bagagem sem portar as receitas médicas. 

SEGURO SAÚDE 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) disponibiliza em seu portal uma lista de países que possuem acordo com o Brasil e permitem o atendimento aos cidadãos brasileiros nas redes públicas de saúde. Para mais informações, acesse: http://sna.saude.gov.br/cdam

Monte seu “kit farmácia”

Além de levar os medicamentos para as doenças pré-existentes, lembre-se de montar um kit com outros medicamentos que possam ser necessários: 

  • Analgésico/antitérmico
  • Para náuseas ou vômitos
  • Antialérgicos 

Você também pode incluir outros itens nesse kit, como: 

  • Curativos adesivos
  • Gase, esparadrapo, algodão, cotonetes
  • Atadura elástica para entorses e distensões 
  • Bandagens para envolver ferimentos 
  • Antisséptico de uso tópico 
  • Antidiarreicos 
  • Antiácidos 
  • Soluções salinas nasais
  • Pinça e tesoura 

No entanto, para viagens internacionais recomenda-se contratar um seguro internacional de saúde. Confira se a sua seguradora atual oferece esse tipo de cobertura.

Atenção: se for viajar de avião, esses itens não são permitidos na bagagem de mão. 

Vacinas 

Orientações gerais: 

Estar com a carteira de vacinação em dia é um dos itens mais importantes antes de realizar uma viagem. Por isso, o check-up médico é o momento ideal para obter as informações necessárias para a vacinação.

Covid-19:

Ao planejar sua viagem, atente-se para as exigências do país de destino em relação ao Covid-19

Febre amarela:

Alguns países exigem o “Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia” como medida preventiva contra a febre amarela. No site da Organização Mundial de Saúde (OMS) está disponível a lista com todos os países que fazem essa exigência. 

Acesse o link e obtenha mais informações: www.who.int/topics/immunization/en. Para emitir o certificado, procure um dos Centros de Orientação ao Viajante da Anvisa. Leve a sua carteira de vacinação e um documento de identificação oficial com foto. 

Lembre-se: o documento só passa a ser válido nos países que exigem a imunização após dez dias da data em que você foi vacinado.  Em regiões brasileiras consideradas endêmicas como Amapá, Tocantins, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Acre, Roraima, Amazonas, Pará, Goiás e Distrito Federal é necessário vacinar-se contra a febre amarela.

Febre tifoide: 

A imunização contra a febre tifoide também é importante se o destino for regiões como Norte e Nordeste do Brasil, Ásia e África, onde as condições sanitárias são precárias. Outras vacinas contra doenças como hepatite A e B, poliomielite, sarampo, caxumba, rubéola e meningite meningocócica podem ser recomendadas, de acordo com a região do Brasil ou país que você for visitar. Por isso, se informe no Centro de Orientação ao Viajante da Anvisa. 

Durante a Viagem 

Circulação Sanguínea:

Em viagens longas, principalmente as de avião, a circulação sanguínea tende a diminuir devido à baixa pressão atmosférica da aeronave e ao ar ambiente muito seco, facilitando a desidratação. Como consequência, o viajante pode ter uma trombose venosa aguda, devido a formação de coágulos no sangue. Inicialmente, a trombose começa pelas pernas e à medida que o sangue se espessa, as veias ou artérias podem se obstruir. Com a circulação do sangue bloqueada, órgãos como o pulmão podem ser afetados, em função de embolia.

Para evitar essa situação, coloque uma meia elástica – de preferência uma meia de média compressão – e use calçados confortáveis durante a viagem. Procure movimentar bastante as pernas, mesmo se o espaço for pequeno. Se você estiver em um avião, levante-se algumas vezes, ande e faça alongamentos com pernas e braços. Se a viagem for de ônibus ou carro, desça em todas as paradas. Também é importante beber bastante água para manter-se hidratado e evitar bebidas alcoólicas. Qualquer viajante está sujeito ao risco de ter uma trombose, porém pessoas com problemas de circulação, como os diabéticos, precisam redobrar os cuidados e seguir orientações médicas. Gestantes, obesos, fumantes e mulheres que tomam anticoncepcionais (principalmente se forem fumantes) fazem parte do grupo de risco. Os sinais da trombose são inchaço nas pernas, vermelhidão, aumento da temperatura e dores na batata da perna. Fique atento e qualquer sinal de alteração, comunique a equipe de bordo (se estiver no avião) que tomará as devidas providências. 

Náuseas:

 Nas viagens de avião, ônibus ou carro, muitas pessoas sentem náuseas com o movimento. Esse mal estar pode ser evitado com algumas precauções:

  • Evite comer alimentos pesados e em grande quantidade antes de viajar 
  • Se quiser comer durante a viagem, opte por alimentos leves e pouco gordurosos 
  • Evite bebidas alcoólicas, pois o álcool aumenta o potencial de desidratação
  • Se estiver de carro e não for o motorista, prefira o assento da frente. Se a viagem for de ônibus, escolha os assentos do meio e evite as extremidades que balançam mais. Em uma viagem de avião, escolha os assentos a partir das asas para frente, pois balançam menos 

Ressecamento das vias respiratórias e dores de ouvido: 

Entre as reclamações mais comuns nas viagens de avião estão o ressecamento das vias respiratórias e as dores de ouvido. Na primeira situação, quanto maior for a altitude alcançada pela aeronave, menor será a disponibilidade do oxigênio e a umidade relativa do ar será mais baixa, causando a desidratação e o ressecamento das vias respiratórias. Já as dores intensas de ouvido durante a decolagem e aterrissagem do avião, principalmente nas crianças, ocorrem devido à pressão atmosférica. Quando o avião está subindo e a altitude aumenta, a pressão diminui e o ar se expande nos ouvidos. No momento do pouso, ocorre o contrário, gerando um efeito negativo nos ouvidos. Para evitar esses desconfortos, beba bastante líquido ou mastigue chicletes. Além disso, deglutir a própria saliva pode ajudar.

Atenção: problemas como gripes, resfriados e rinites alérgicas, que geram a obstrução nasal, podem piorar a pressão nos ouvidos. 

Água e alimentação:

 Um dos problemas mais comuns em viagens é a diarreia causada pela ingestão de alimentos e água contaminados. O índice de ocorrência da diarreia em viajantes varia entre 30% a 50% – o que equivale a cerca de 24 a 40 milhões de pessoas acometidas no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Por isso, é importante conhecer a procedência do que você ingere e adotar algumas medidas de higiene:

Lave as mãos com sabão várias vezes ao dia, principalmente antes de comer. Se não for possível, desinfete as mãos com álcool em gel

Consuma água mineral engarrafada e bebidas industrializadas

Não use gelo de procedência duvidosa

Consuma alimentos que estejam bem assados e cozidos

Na dúvida sobre as condições de higiene, evite comer saladas, vegetais crus e beber sucos de frutas, leite e derivados não pasteurizados

Evite os alimentos vendidos por ambulantes

Cuidado com frutos do mar e peixes. São os alimentos que mais causam intoxicação alimentar em viagens Exposição ao sol Durante uma viagem, é comum passar longos períodos caminhando ao ar livre sob a exposição nociva de raios ultravioletas. Por isso, atenção:

Evite tomar sol entre 10h e 16h

Utilize bloqueador solar com fator de proteção igual ou maior que 15

Proteja-se com bonés, chapéus ou viseiras

Utilize roupas confortáveis

Beba bastante líquido

Picadas de insetos: 

Se a sua viagem inclui visitas a locais rurais, florestas ou cerrados, é necessário dar atenção especial às doenças transmitidas por insetos, como dengue, malária, febre amarela, leishmaniose, entre outras. Para prevenir-se das picadas, confira as recomendações:

  • Aplique repelente a base de DEET (dietil-toluamida) nas áreas expostas da pele (o uso de repelentes não é indicado para crianças menores de dois anos)
  • Dê preferência a locais que ofereçam barreiras e telas de proteção nas janelas e ar condicionado 
  • Utilize roupas que protejam contra as picadas, como camisas de manga comprida, calças e sapatos fechados Doenças transmitidas por outros animais. Algumas espécies de aves e mamíferos podem transmitir doenças infectocontagiosas, inclusive em áreas urbanas. Portanto, atenção: 
  • Evite contato com aves vivas ou abatidas 
  • Se sofrer agressão por mamíferos domésticos ou aves silvestres, lave o local imediatamente e busque atendimento médico 

Informações gerais 

Carregue com você os documentos de identificação, de preferência em inglês e português, com informações de contatos pessoais, tipo sanguíneo, se tem alergias, diabetes ou outras doenças que possam requerer particular atenção. Leve seus medicamentos em quantidade suficiente para o período da viagem e a prescrição do médico. 

    agende

    Veja também

    CADASTRE-SE E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS